segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Relacionamento à distância




Sabe aquele amor que você sabe que é de verdade, que eterno, mas sempre vem alguém pra te dizer que a distância é cruel, que era muito melhor você se relacionar com alguém mais de perto, com quem tivesse mais contato, e blá, blá, blá? Pois bem, meu amor é assim.

Ficamos boa parte do ano distantes, nada que faça esfriar ou até mesmo desistir, aumenta, só aumenta nossos sentimentos. A internet realmente é um santo remédio. Lembro muito bem do tempo em que nossos contatos se restringiam a apenas 15 minutos por dia durante a hora do almoço, e olhe lá. Uma lástima. Mas agora, os tempos são outros, a saudade existe e nunca vai deixar de existir, mas internet é realmente uma mãe, porém, ela faz com que meia hora sem notícias já seja uma eternidade. Fico desesperado. Atualizo sua página de 5 em 5 minutos. Minutos? Não! De 5 em 5 segundos.

Ai vem aquela chance, esperada ansiosamente o ano inteiro, a chance de nos vermos, ter aquele contato pessoal, físico! Aquela hora de poder gritar pra todo mundo que eu amo. E não há no mundo nada que possa calar esse amor. É bem verdade que faço isso a distância também, mas sei que é um grito meio mudo, que não vai chegar aos seus ouvidos. Mas naquele dia tão esperado não. Naquele dia q desde de 1 de janeiro eu fiz um "x" no calendário com um marcador permanente e toda semana contava de trás pra frente pra saber quantas faltava, eu vou poder gritar, e minha declaração vai ser ouvida. É sempre um grande e memorável dia.

Mas heis, então, que surge um dilema, por conta do seu chefe, o dia desse encontro vai precisar ser alterado. E o pai, que por sinal sempre se pronuncia a favor desse nosso amor a distância, que pode ou poderia fazer alguma coisa, não sei por que cargas d'água, não faz nada. Chego até a contestar esse seu apoio declarado. Isso, na minha opnião, não se faz.

Mais um ano, talvez. 

Isso não desanima, não diminui o nosso amor, que por tantas vezes tenho provas da sua reciprocidade, mas sinceramente… Estou puto com seu chefe e seu pai!

Diego Lins é pai do Gabriel, botafoguense, designer e organizador do Coletivo Alvinegro. Morador de João Pessoa/PB, mataria a saudade do seu amor no domingo, mas por conta do destino assistirá tv na quarta.

4 comentários:

  1. sacanagem mesmo

    eu moro em Teresina q fica a uns 600KM de Fortaleza

    esperei o ano todo por essa oportunidade e me colocam o jogo numa quarta-feira a noite

    brincadeira

    ResponderExcluir
  2. Tb sou de Joao Pessoa, e nunca vi o Fogao ao vivo..

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Eu sei o que é amar à distância. É difícil e cruel, mas guardo essa loucura de sentimentos para o momento do reencontro, que sei que será em breve. Ser Botafogo no Pará, depois de uma vida inteira de idas ao Maracanã, Caio Martins, Engenhão e proximidades é bem complicado e confesso que ainda não me acostumei com isso. Vida que segue! Espero ainda ter muito o que comemorar antes que 2010 termine!

    Aí vai o meu "Sem Botafoguense em Belém..."

    http://olhandobelem.blogspot.com/2010/04/ser-botafoguense-em-belem.html


    Saudações alvinegras! ;)

    ResponderExcluir