quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Em contagem regressiva

O Botafogo venceu, sábado, um jogo difícil contra o Atlético-MG lá em Minas Gerais. Ontem, enfrentou o perigoso time do Atlético-GO, no Engenhão, e também venceu. Foram 6 pontos conquistados. Enquanto que, os adversários que estão a sua frente não conseguiram tal pontuação. O Fluminense fez 4 pontos, Corinthians, 4 e o Cruzeiro, 3. E aquilo que, a duas rodadas atrás era praticamente impossível, já é visto diferente pela imprensa. O anseio pelo título ainda é possível em General Severiano. É 1% de chances de trazer o caneco que temos? Então será com essa porcentagem que traremos!
No sábado, contra o Galo, nosso mais ilustre adversário, o Botafogo mostrou o que esse ano tem sido característica principal desse time. Uma defesa bem postada e saída somente em contra-ataques. É assim que o Fogão tem se tornado quase que imbatível ( foram somente 5 derrotas ). Marcelo Mattos, mais uma vez, foi a segurança na nossa defesa e Leandro Guerreiro conseguiu não errar. Fahel pouco comprometeu e a nossa defesa reserva formada por Márcio Rosário e Danny Moraes conseguiu não sofrer gols.
Com as jogadas sendo anuladas pelo meio, o Atlético-MG começou a forçar as jogadas pelo alto. Ótima armadilha montada por Joel Santana, que esperava um contra-ataque para acabar com o jogo. Poderia ter saído com Abreu ou até com Jobson ( ambos perderam chances claras ), porém, a noite começou após uma substituição feita pelo nosso técnico. Edno no lugar de Lucio Flavio. Ele entrou e fez o primeiro, depois de um passe primoroso de Loco Abreu. E, no fim, foi a vez de Edno agradeçer com um lindo passe para o ídolo resolver. Com cavadinha, Loco Abreu fez o segundo e liquidou a partida.
Ontem, com boa presença de público no Engenhão, foi a vez de outra estrela brilhar. Uma estrela que andou bem apagada após o término do Carioca, mas que enfim desencantou. Poderia ter acontecido mais cedo sim, mas o gol marcado por Caio, aos 43 do primeiro tempo, num jogo difícil e nervoso, não deixa de ter a sua importância.
Entre esse gol, e o marcado por Loco Abreu, de pênalti, o Botafogo viveu um de seus melhores momentos na competição. Atacando e defendendo com uma postura correta e séria. Depois, veio o tal relaxamento. Leandro Guerreiro errou no primeiro gol e Edno deixou Robston livre para chutar e fazer o segundo. A sorte é que a partida já estava no fim, e Marcelo Mattos estava em campo. A vitória veio, o que nesse momento, é o mais importante.
Próxima rodada será mais uma final. Faltam só mais 5 para levantar a Taça. Alguém ainda tem coragem de duvidar de um time que tem como líder o Louco mais lúcido de todos os tempos?

Saudações alvinegras a toodos ;*

Um comentário:

  1. O que foi o segundo gol dos goianos hein? O Robston foi andando desde o campo dele até a entrada da área e ninguém chegou nele..... macabro....andando....ele não correu....ele andou.... Acorda LG, Acorda Zaga.... Tá na hora da verdade, sem relaxamento, sem displicências...

    ResponderExcluir