segunda-feira, 17 de outubro de 2011

¡Sí, el Loco está acá!

Ontem, pouco antes da partida contra o Atlético Paranaense, vi uma foto publicada no Facebook que anunciava e convocava a torcida para apoiar o Botafogo nesta reta final de brasileirão, e esta retratava uma disputa de bola entre um jogador do Atlético-PR e André Lima. Imediatamente, pensei: "caramba, como é que um clube com a grandeza do Botafogo ficou tantos anos refém de ataques inoperantes e que não nos levaram a lugar algum!!!"

E hoje, dia do aniversário de Loco Abreu, vejo o quanto o espírito de uma equipe mudou. O Botafogo tem um ataque determinado, e uma equipe com vontade de vencer. É bonito ver como esse jogador mudou a imagem que se tinha do Botafogo... chorão? Chorões são os que sofrem com os gols de Abreu... Não é à toa que ele é o nosso capitão! Quando reclamamos de algo, por intermédio dele, o fazemos com embasamento, com conhecimento de regras, com uma postura firme e que, muitas vezes, já deixou (para a nossa diversão, claro!), muita gente da maior torci... opssss, emissora do país, com as calças curtas. Os outros até podem puxa o saco da Rede Globo, mas aqui é Botafogo!!! Aqui não!!!!

Quem diria que o homem que estreou no Botafogo num dia tão adverso se transformaria em ídolo de forma tão rápida? Lembro-me perfeitamente de cada crítica, de cada comentário desconfiado e da zoação dos adversários quando depositamos nossa confiança em Loco Abreu. Hoje, são estes os mesmos que o reverenciam e respeitam a sua visão de jogo e sua postura dentro de campo.

E hoje, dia do aniversário de Loco Abreu, mais do que desejar feliz aniversário, gostaria de dizer "muito obrigada": por nos trazer de volta a confiança, por eternizar um pênalti, por nos fazer acreditar novamente num título brasileiro, mas acima de tudo, obrigada por (re) conhecer/divulgar a nossa história e por ter se tornado, também, botafoguense de coração.

P.S.: Deixo como sugestão, um texto publicado em abril de 2010 no Infogol - "El Loco Penal", de Gustavo Poli, que mostra como andava nosso coração à época. Como as coisas mudam, não? Mas agora, el Loco está acá...

Cadê o coração, Loco?

Nenhum comentário:

Postar um comentário